Curso de usabilidade na UFRGS

Desde quinta-feira (13/12/2007) estou fazendo um curso de extensão em usabilidade na Universidade Federal do Rio Grande do Sul, dado pelos professores doutores: Carla Freitas e Marcelo Pimenta. O curso aborda de forma prática heurísticas de usabilidade, acessibilidade, testes, problemas e soluções, além de contar com a experiência dos professores citados, renomados na área. Estou gostando muito, pois é interessante ter a oportunidade de fazer um network com outros profissionais da área.

Análise Heurística

Entre debates, explicações e exercícios, fizemos algumas aplicações práticas do que aprendemos usando algumas das ferramentas, empregadas no curso. Dentre elas as "Dez Heurísticas de Nielsen" [NIE 94] que compõem:
  1. Visibilidade do status do sistema;
  2. Compatibilidade entre o sistema e o mundo real;
  3. Liberdade e controle do usuário;
  4. Consistência e padrões;
  5. Prevenção contra erros;
  6. Reconhecimento em lugar de lembrança;
  7. Flexibilidade e eficiência de uso;
  8. Projeto minimalista e estético;
  9. Auxiliar os usuários a reconhecer, diagnosticar e recuperar-se de erros; e
  10. Ajuda e documentação.

Critérios Ergonômicos definidos por Bastien e Scapin

Também falamos muito de Bastien e Scarpin, que definiram critérios [BAS 93] relacionados a testes ergonômicos, que podem ser usados também para análises heurísticas de websites. Em uma lista de 18 critérios definidos, um dos mais importantes na minha opinião é o da "Legibilidade" que segundo Bastien e Scarpin:
"Refere-se às características léxicas que as informações apresentam sobre a tela de forma a facilitar a compreensão destas informações. Deve-se levar em consideração, ainda, o brilho, contraste, cor, tamanho de fonte, espaçamento, etc."
Ou seja, determinado conteúdo textual deve ser legível, o tamanho da fonte, a cor, o contraste em relação ao fundo devem ser satisfatórios para o usuário.

Percurso Cognitivo

Falamos muito também do percurso cognitivo, cujo objetivo principal é percorrer os caminhos que levam até determinada "meta" e definir os possíveis erros e problemas neste processo. Neste tipo de teste deve-se definir: se as ações estão evidentes ao usuário, se este perceberá a ação correta (se os itens estarão visíveis), se existe "feedback" adequado, entre outras coisas. O percurso cognitivo pode ser usado juntamente com a análise heurística, tanto um, como o outro, são ferramentas eficientes, para elaboração de relatórios de usabilidade.

Relação Usabilidade e Otimização de Sites

Total. Hoje o negócio é dar resultados. Ou o cliente tem um ROI (Return of Investment - retorno de investimento) digno de um orçamento ou determinado projeto se torna um centro de custo. Sendo assim, não é mais uma vantagem o cara estar em primeiro lugar no Google se o site dele não está apto a vender. E muitos não estão...

A otimização de sites hoje é mais do que uma simples reengenharia voltada às máquinas de busca, mas sim algo que soluciona realmente os problemas do usuário. Imagine só: em alguns testes com usuários, naqueles onde é pedido ao usuário realizar determinada tarefa sem indicação de algum site, este corre para algum mecanismo de busca para encontrar o que precisa. É ilusão pensar que um site que se posiciona bem nos mecanismos de busca consegue resultados sem que seja totalmente eficiente. É sério, muito sério isso, pois tem gente (e não é pouca) que acredita nisso e diz por aí que a otimização de sites faz junção de técnicas que levam seu site para a primeira página do Google.

A Otimização do site tem que preservar a vontade que o usuário tem que encontrar e conseguir usar o que procura. Técnicas isoladas não vão trazer resultado algum ao usuário, só frustração.

Acessibilidade

Porque alguns mecanismos de busca prezam tanto pelo atributo "alt" da tag "img"? Por que o W3C preza tanto por uma padronização? Para que qualquer pessoa possa usar determinado site. Não sou o dono da verdade, mas fica a pergunta: o que nós profissionais de WEB faremos para ajudar?

Assista o vídeo e pense: http://acessodigital.net/video.html

Conclusão

Curso show, galera animada e professores legais que realmente entendem do que falam. Cada vez fico mais convencido de uma teoria minha: "não adianta chegar, é preciso usar".

Mais artigos sobre Usabilidade:

Testes de usabilidade no wikia
Menus e links de Navegação
SEO e Usabilidade no New York Times 2
SEO e Usabilidade no New York Times
Aplicando avaliação heurística na Wikipédia
Usabilidade x Wikipédia

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ferramentas de Gerenciamento e Produtividade

A pirâmide invertida

LGPD: Conceitos e desafios importantes