Conteúdo WEB

O conteúdo de um website é para o usuário aquilo que há de mais importante. Imagine, por exemplo, quando uma pessoa busca por alguma informação sobre um produto. O que ela espera é encontrar um conteúdo compatível com a sua busca.

Quando eu falo de conteúdo, não me refiro somente aos artefatos textuais, mas sim: imagens, vídeos, botões, links e tudo aquilo que irá colaborar para que o usuário encontre a informação que deseja, logo, contribua para o processo de encontrabilidade de informação.

Recomendações para conteúdo WEB

Algumas premissas, ao serem respeitadas, podem colaborar para que o conteúdo do site seja mais atrativo aos olhos do usuário. A seguir algumas dicas (AARRON, 2010):
  • Identifique quem é seu público-alvo e os usuários que você quer atingir;
  • Verifique os objetivos e motivações para que os usuários que você identificou naveguem e usem seu site;
  • Crie uma lista do conteúdo que desejarão encontrar (veja o exemplo no organograma, imagem 01 e 02). 
  • Fale com as pessoas do seu público-alvo; e
  • Acompanhe as estatísticas de tráfego relacionadas ao conteúdo do seu site (imagem 03) principalmente sobre aqueles conteúdos que fazem maior sucesso.
Imagem 01: Modelo de organograma de conteúdo. A hierarquia dos conteúdos, desde o tema até os tópicos abordados para cada um.

Imagem 02: Exemplo de um organograma do conteúdo de um blog de métricas.

Sendo assim, se o tema do blog é sobre métricas de Internet, você pode ter como assunto: ferramentas, indicadores e casos. Então, é possível ir desenvolvendo os principais tópicos em posts e analisar o sucesso dos respectivos conteúdos através do Google Analytics.

Imagem 03: Para visualizar os conteúdos de maior sucesso no Google Analytics, vá em "Content" e depois em "top content" para analisar a performance dos conteúdos do site.

Também há critérios importantes para o "tom" que será utilizado para com os usuários, ou seja, é necessário ter o cuidado para pensar qual o tipo de leitura tem o seu público (AARRON, 2010):
  • Se eles são especialistas ou novatos no assunto; 
  • Em qual velocidade eles estão lendo; e 
  • Se esperam uma linguagem mais formal ou informal.

Imagens e vídeos também são conteúdo!

Dessa forma, dê maior importância para imagens e vídeos, pois eles colaboram para que a leitura da informação seja mais agradável. Pense em como é bom, principalmente em livros técnicos, quando encontramos imagens que explanam através de esquemas um determinado conceito, processo ou metodologia. Trata-se de uma forma de estruturar o pensamento em prol de algum tema.

O mesmo vale para vídeos. Pode se tornar complicado, através de palavras escritas, somente, explicar alguma técnica, algum conceito de muita valia, mas que para seu entendimento é exigido determinada atenção. Nesse caso, faça um vídeo onde seja possível explanar, através de algumas palavras, gestos e desenhos em algum quadro, por exemplo, aquilo que para o usuário possui valor informacional.

É relavante informar que, como nem só de texto vive a web, é possível aparecer em resultados de mecanismos de busca através de imagens, vídeos, mapas, entre outros. Sendo assim, pense nesses recursos não somente como artefatos que colaborarão para que o usuário entenda uma determinada informação, mas também para o fator encontrabilidade. Afinal, hoje na Internet há uma convergência entre diferentes tipos de artefatos que irão ajudar nesse processo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ferramentas de Gerenciamento e Produtividade

A pirâmide invertida

LGPD: Conceitos e desafios importantes